21 setembro 2008

Crenças limitantes, como identificá-las e mudar o padrão.

O tema crenças pode ter conotação religiosa, nos remete a fé. Em Programação Neurolinguística crenças são as generalizações que fazemos sobre outros, sobre o mundo e sobre nós mesmos. Isto porque acreditamos que são verdadeiras as experiências que vivemos em família, entre amigos e mestres e, realmente, são verdadeiras por representarem os valores fundamentais, referências para o nosso estilo de vida.
Contudo, há que se questionar, pois as aparências podem não ser a realidade. Existem crenças fortalecedoras que nos ajudam a atingir objectivos relevantes, outras, entretanto, agem como se fossem amarras ou correntes que nos impedem de agarrar as oportunidades que batem às nossas portas.
A mudança de padrão mental começa ao assumirmos que o modo de pensar está confortável, porém não nos levará além do lugar comum. Desconfie quando perceber que a sua carreira está apenas seguindo o fluxo sem grandes expectativas. Desconfie quando seus sonhos continuam sendo sonhos. Pergunte a si mesmo, o que poderia ser diferente disso?
Existem várias estratégias em PNL para promover a mudança de crenças. A técnica “Metamodelo” é uma delas. São perguntas que nos motivam a reflectir, a escutar os outros e a nós mesmos.
A técnica “Metamodelo” é uma ferramenta extraordinária para colectar informações, especificar uma mensagem, uma crença e entender os significados. Compreende um conjunto de instrumentos com os quais podemos construir uma comunicação mais clara. Ao aplicarmos essa técnica, podemos identificar limites e ampliar as escolhas. Para isto, faz-se uma sequência de perguntas usando: O que; Quem; Qual; Como; Onde; Quando e Porque. O “Porque” é útil para extrair o valor, o significado pessoal.
Uma pratica indicada para se conscientizar do padrão de pensamento e do padrão das pessoas do convívio, é prestar atenção nos diálogos. Observar a construção das frases e palavras mais usuais. Há indícios de crenças limitantes quando você ou alguém pronuncia: “eu não consigo”; “eu não posso fazer isso”; “é difícil”; “isso não é para mim”; “todo mundo é assim”.
Sou capaz de apostar que entre seus familiares, amigos e colegas de trabalho têm pessoas com padrões de pensamentos optimistas. Aquelas entusiastas que descrevem tão bem os seus sonhos que você, praticamente, consegue ver a realização e, surpreendentemente, depois de algum tempo, presencia a celebração do que foi anunciado. O que as diferencia? Seria a motivação por um propósito maior, um projecto de vida?
Uma das crenças que afecta muitas pessoas é que “ganhar dinheiro é difícil”, se for o seu caso exercite e perceberá a diferença ao reescrever o que quer em vez disso. Comece com uma mudança simples, substituindo a palavra difícil por “ganhar dinheiro não é fácil”. Desafie novamente e poderá chegar a uma nova sentença mais específica e positiva, como: “Eu posso ganhar dinheiro com as habilidades que possuo”.
Um exercício que recomendo é o mapeamento das crenças. Pegue uma folha de papel e relacione suas crenças. Avalie cada uma delas, separe aquelas chamadas de fortalecedoras, que impulsionam em direcção aos objectivos e desafie as demais.
Para desafiar uma crença usando a técnica “Metamodelo”, um bom exemplo a explorar é: “ganhar dinheiro é difícil” ou poderá escrever a sua própria crença e usar as questões a seguir para especificar o significado e, talvez, decidir pela mudança.
1-O que exactamente você quer dizer com isso?
2-Todas as pessoas do seu relacionamento acreditam que ganhar dinheiro é difícil?
3-Se ganhar dinheiro fosse fácil, o que isto lhe proporcionaria?
4-E você conseguindo isto, como se sentiria?
5-E com esse sentimento, o que você faria de diferente para ganhar dinheiro mais facilmente?
6-Quem vai se beneficiar com isso? Quem mais?
7-Quando vai começar?
8-Como vai saber que conseguiu?

Tenha em mente que você pode mais do que acredita ser capaz. Presenciamos um lindo espectáculo recentemente, as olimpíadas de Pequim. Fiquei impressionada com a determinação da atleta Russa que já havia conquistado a sua medalha de ouro no salto com varas e se desafiou a quebrar o próprio recorde. Qual é realmente o nosso limite? Acredite em você!

“Se o pensamento corrompe a linguagem,

a linguagem pode também corromper o pensamento”.
George Orwell

Noscilene Santos vai intervir como oradora no 1º Congresso de Coaching e Programação Neurolinguística - PORTUGAL
É brasileira, sócia fundadora da empresa People Training. Certificação Internacional em Coaching pelos Institutos: ICI - Internacional Association of Coaching Institutes e ECA - European Coaching Association.
Possui especialização em Gestão Empresarial. Licenciatura em Comunicação Social e Administração de empresas. Formação em Hipnoterapia Ericksoniana; Master Trainer em Programação Neurolinguística.
Actuou como executiva no mercado financeiro. .
É palestrante e facilitadora em treinamentos in company desde 1999.
noscilene.santos@peopletraining.com.br

2 comentários:

Márcio La Falce disse...

mto legal o artigo, mas o q preciso fazer, após responder as perguntas da técnica?

Lene Santos disse...

Olá Marcio,
As respostas normalmente são encontradas quando localizamos as causas. Nossos comportamentos, a linguagem que usamos, muitas vezes, são reflexos do que aprendemos na fase da infância. Portanto, o caminho é descobrir de onde vem, como você aprendeu a ser como é, de que modo seus pais reagiam a circunstâncias semelhantes. O Autoconhecimento é o caminho das respostas que buscamos.
Abraços
Noscilene Santos
São Paulo, Brasil